“Catsfih” é um reality show americano, um documentário dramático que tem como finalidade descobrir a veracidade e a mentira sobre os “encontros” online. É apresentado por dois americanos, Nev Schulman e Max Joseph. Esse programa, mais conhecido por uma série real, foi criado com o principal objectivo de descobrir o “verdadeiro rosto” que está por trás de um computador. 

A série fala muito da Internet, principalmente do Facebook, do perigo de não saber com quem estamos a falar do “outro lado da linha”. Existe muitos casos em que uma pessoa cria um perfil pessoal falso, passando-se por outra pessoa, talvez mais atraente que o seu verdadeiro eu, utilizando de outra pessoa, as fotos e informações biográficas falsas, como forma de pretender enganar uma pessoa confiante ou alguém que se apaixone por eles. Nev Shulman foi um exemplo para casos assim, pois tinha relacionamento com uma mulher de 20 anos, mas acabou por descobrir que ela não era o que pensava. E assim surgiu o “Catfish”

Com ajuda do seu amigo, Max Joseph, ajudam pessoas que passam por estas situações, investigando o perfil da pessoa e descobrir se é credível ou não. Ao longo da série pode-se ver como podemos ter a certeza se trata de um perfil verdadeiro ou se estamos a ser enganado. Eis algumas dicas:

  • Procurar o nome da pessoa em buscadores – É sempre importante investigar a pessoa com quem falamos. Pode pensar que se trata de uma perseguição, mas se tiver uma intimidade com a pessoa, um namoro virtual, é sempre bom termos uma garantia e saber com quem falamos antes de expor a nossa vida na rede social;
  •  Utilizar a busca de imagens do Google – As pessoas que criam perfis falsos procuram imagens no Google. Se encontrar a foto com um nome diferente, há uma probabilidade de “amigo/namorado virtual” seja mentiroso.
  • Fazer uma videoconferência – Normalmente, quando conhece alguém pela Internet e que começam a criar uma forte ligação, pretende fazer uma chamada videoconferência através do Skype ou o Hangout, é sempre bom porque assim ficamos a saber com quem falamos. Em “Catfish” a maioria dos “parceiros virtuais ocultos” sempre dizem estar ocupados ou que não tem. Sempre que houver uma desculpa destas, é melhor desconfiar e perceber que não passa tudo de uma mentira.

 

Na minha opinião, o “Catfish” tornou-se um exemplo de mostrar com quem lidamos através da Internet, que devemos ter cuidado com o que expomos da nossa vida a um estranho. Por segurança, devemos desconfiar quando a nossa intuição assim o diz. Todo o cuidado é pouco pois a partir do momento que expomos informações privadas, podemos ser prejudicado.