Uma das grandes preocupações de todos pais é a relação negativa que se pode estabelecer entre as crianças e a internet.

Apesar de todas as vantagens de aprendizagem, educação e inclusive de diversão que nos são proporcionadas pela internet, existem também várias desvantagens, tais como os conteúdos próprios para adultos que devem ser protegidas ao máximo pelos pais.

Como referi à cima, a internet tem as suas vantagens e vários aspectos positivos, dos quais são:

– a facilidade de se encontrar o que se procura (motores de busca e pesquisas por temas);
– a integração feliz entre texto, animação e imagem, o que motiva e cativa para a transmissão da informação;
– a vantagem de não ter limite temporal: “nunca fecha”;
– ser, apesar das precauções a tomar, um meio para se relacionar com os outros.

Algumas das suas desvantagens são:

– a informação nem sempre é correcta (e muitas vezes é incompleta);
– há erros de ortografia que vão “passando”, pois a preocupação de correcção nem sempre está presente;
– pode “viciar” e causar problemas de relacionamento e também de ordem física (visão, postura, etc.);
– é uma fonte de despesas (mesmo que a tendência seja para diminuírem, mas a de os conteúdos serem pagos está a aumentar).

De que forma pudemos proteger as crianças de uma navegação negativa na internet?

A melhor forma não seria de facto proibi-las da sua utilização, mas sim estabelecendo conversas onde explicassem todos os perigos e aspectos negativos de forma a evita-las a usar incorrectamente a internet.

Existem no entanto regras importantes de segurança à cumprir:

1 – Não se dá o número de telefone ou o endereço sem haver garantias de segurança.

2 – Não se devem combinar encontros com alguém que se conheceu na Internet.

3 – Não se enviam fotos ou outro tipo de documentação sem autorização.

4 – Não se responde a mensagens mal educadas ou inadequadas.

5 – Não se abrem mensagens de desconhecidos (por causa dos vírus e afins).

Imagem

Diana Rocha, nº 20130846