A Internet revolucionou os meios de comunicação, alterando por isso, o perfil, comportamento e hábitos de consumo da nossa sociedade.

Com o desenvolvimento da Internet o consumidor passou a poder participar, criticar e interagir com as marcas, criando desta forma uma nova relação entre a empresa e o consumidor, onde o ultimo deixa de ser um agente passivo.

Antes da Internet 2.0 as empresas tinham o controlo, a comunicação era feita de cima para baixo, mostrando apenas o que queria. Esta nova forma de colaborar e interagir proporcionou ao consumidor liberdade para expressar a sua opinião de forma global, e isso tornou-o mais activo e conhecedor dos seus direitos, e por isso perigoso. Através da Internet o consumidor passou a poder encontrar informações sobre as empresas, marcas, produtos e serviços deixando-os vulneráveis.

Existem agora várias ferramentas que permitem que todos sejam ouvidos, entre elas os blogs, os sites, as redes sociais e as caixas de comentário das edições digitais dos média. Esta mudança gerou a necessidade de outras transformações, principalmente na comunicação, as empresas passaram a ter de falar com o cliente directamente, ao mesmo nível, ao invés de falar para ele.

As empresas passaram a utilizar os médias sociais como forma de influenciar os seus públicos de interesse, criando uma imagem positiva que pudesse persuadir as pessoas, com a finalidade de o consumidor se interessar pela marca.

Esta mudança criou uma nova sociedade, uma sociedade de informação e comunicação que permite ao consumidor ter tanta força como quem produz o produto de consumo.

A Internet gerou então a necessidade de uma nova forma de comunicação, uma mais complexa e exigente que pede às empresas que se tornarem mais focadas nas relações humanas. Desta forma o trabalho de um gestor de conteúdos digitais também mudou e tornou-se mais difícil, agora não é só preciso ter conhecimento sobre a empresa e sobre as novas tecnologias, é essencial investir na capacidade analítica, ter conhecimentos de economia, psicologia e sociologia.

É preciso entender a cultura e os interesses do público-alvo. É preciso criar uma relação e estar preparado para o inesperado.

É preciso portanto não esquecer que a primeira impressão é uma das mais importantes numa relação e que não é fácil ter duas oportunidades, visto que o contacto com o cliente acontece agora, maioritariamente através do espaço digital, é óbvio que a empresa deve focar a sua visão nesse espaço.

Para saber mais clique aqui.

 

empresa-virtual-enio-leite1